terça-feira, 23 de dezembro de 2008

IRFM - Indústrias Reunidas Francesco Matarazzo

Dá para imaginar a cena de uma típica família paulistana da década de 20. Na mesa do café da manhã, a banha enlatada, o açúcar e o presunto cozido servidos pela dona de casa ao marido e à numerosa prole tinham no rótulo um só emblema: "IRFM - Indústrias Reunidas Francesco Matarazzo." Na prateleira da cozinha, ela guardava amido Brilhante, arroz Iguape, azeite para saladas Sol Levante "o preferido pela sua pureza", lixívia São Jorge "sem rival para limpar cristais e panelas" e Licor Brasil, todos produzidos pelo imigrante italiano Francesco Matarazzo. Na estante do banheiro, um vidro de água de colônia Mimi, o sabonete Rex "que deixa sua pele acetinada" e ainda um frasco de perfume Sedução. 

Onipresente
Enfeitava a cama do casal a colcha Princeza, que a dona de casa só lavava com sabão de coco "destinado para tecidos finos". A família usava roupas feitas com cortes da tecelagem Mariângela, uma das 365 fábricas que formavam o império das IRFM. À noite, as velas acendidas na casa eram da marca Progresso e o jantar era sucedido de uma dose de conhaque de gengibre Matarazzo. A onipresença da marca do imigrante no dia-a-dia dos brasileiros dá bem a idéia de seu poderio econômico. Nos anos 30, a renda bruta do conglomerado era a quarta maior do Brasil. Faturavam mais que Matarazzo apenas a União Federal, o Departamento Nacional do Café e o Estado de São Paulo.

Se desejássemos dar uma pincelada ainda maior de realidade ao nosso exercício de imaginação, poderíamos situar esta família de consumidores da marca Matarazzo no Brás, bairro paulistano nascido justamente para abrigar os trabalhadores das IRFM. Havia pelo menos sete mil lares que, nos anos 20, dependiam dos salários do industrial. Considerando que cada um de seus empregados tinha mais quatro bocas para sustentar, chegaram a depender de Matarazzo cerca de 35 mil pessoas, nada menos que 6% da população da capital paulista na época.

Com quase 1,90 metro de altura, Francesco Matarazzo era daqueles homens de elegância nata. Ficava bem em qualquer roupa que vestisse, mas durante a vida usou poucas coisas que não fossem ternos impecáveis. A fisionomia era típica dos homens do sul da Itália (nasceu em Castellabate, a 9 de março de 1854) e a calvície e o bigode sempre alinhado eram marcas registradas. Além do porte físico que lhe beneficiava - era difícil não se resignar diante de homem tão altivo -, impunha respeito com pouquíssimas palavras. Ninguém acreditava quando dizia que só concluiu o ensino fundamental. O pai morreu quando ele tinha 18 anos e, sendo o primogênito, abandonou os estudos para sustentar a família. No Brasil, encarnou a figura do "imigrante que deu certo", transformou-se num mito e foi idolatrado pela colônia italiana, à qual defendia com unhas e dentes.

No entanto, ao desembarcar no Rio de Janeiro, em 1881, tinha tudo para se desesperar. A tonelada de banha de porco que trazia da terra natal para comercializar aqui afundou com a embarcação que levava a carga do navio, por puro azar, pouco antes de aportar no Brasil. Sem perspectivas e com pouco dinheiro no bolso, a única esperança de se manter vivo era encontrar um velho amigo e conterrâneo, Fernando Gradino, que vivia em Sorocaba (SP). Meses depois escreveu para a família que deixara na Itália - a mãe Mariângela, a esposa Filomena, oito irmãos e dois filhos: "Abri uma venda em Sorocaba e não procurei, nem jamais procurarei, ter o que se chama de patrão." Empréstimos ajudaram-no a abrir o pequeno empreendimento. Na mercearia, as estantes viviam abarrotadas de produtos de todos os tipos - ele cismava em importar tudo o que aparecesse. Se a clientela pedisse alguma coisa que ele não tinha, tratava de arrumar mais que depressa. Por ironia, o campeão de vendas era a banha de porco importada, o mesmo produto que ele trouxera da Itália e repousava no fundo do mar. Era ingrediente de primeira necessidade para a conserva de alimentos.

"Ele não estava morrendo de fome na Itália. A idéia de tentar a sorte demonstra que tinha um temperamento inquieto e visionário", disse a ISTOÉ Andrea Matarazzo, atual secretário de Comunicação Social da Presidência da República e sobrinho-bisneto do imigrante. "Veio obstinado com a idéia de ganhar dinheiro e estava à frente de seu tempo." Na rabeira do sucesso de vendas da banha em seu armazém, decidiu fabricar o produto, já que porcos não faltavam. O método era simples: bastava um caldeirão no fundo do quintal para derreter a banha. "O segredo está na compra e não na venda", dizia o comerciante aos amigos, com a propriedade de quem sabia negociar no atacado como ninguém. Comprou quase todos os porcos da região e, além de baratear a produção, também revendia o animal. No início, entregava pessoalmente os barris, que eram devolvidos e repostos após a utilização. Mais tarde, veio a grande sacada: enlatar o produto.

Intuição aguçada
O negócio prosperou e, em 1890, suas pretensões já não ca-biam mais em Sorocaba. Quando partiu para a capital paulista, já tinha mandado buscar a esposa, os filhos e três irmãos - Guiseppe, Luigi e Andrea - em Castellabate. A intuição aguçada de bom empreendedor não lhe abandonava nunca. Quando a farinha de trigo faltou no País, Matarazzo não pensou duas vezes. Foi pedir ajuda ao London and Brazilian Bank para construir um moinho, em São Paulo, e seu faturamento cresceu absurdamente. Em 1887, a cifra chegava a 20 contos de réis, e em 1900, possuía 2.020 contos - um crescimento de 9.950% em 13 anos. Em 1920, ergueu o primeiro grande parque industrial do Brasil, na Água Branca, zona oeste de São Paulo. Numa área de 100 mil metros quadrados, reuniu serraria, refinaria, destilaria, frigorífico, fábrica de carroças, de sabões, perfumes, adubos e inseticidas, velas, pregos e outra dezena de indústrias, que funcionavam com a energia de uma usina própria. Nos anos 30, abriu filiais em Ponta Grossa (PR), João Pessoa, Rio de Janeiro, Santos e Curitiba.

Dizendo que o povo de sua terra possuía "inigualáveis força e capacidade de produção", nove entre dez trabalhadores que contratava eram de origem italiana. Ele próprio tratava de provar a tese. Por mais de 30 anos, foi o primeiro a chegar, às sete horas, e o último a sair da fábrica, 14 horas depois. "Era rígido e tinha comportamento exemplar para os funcionários. Considerava-se o operário número um", diz Andrea. Com muito sacrifício, a esposa Filomena conseguia impedi-lo de sair às cinco para pegar no batente, argumentando que nem só de trabalho vive o homem. Reza a lenda que, quase octogenário, numa de suas visitas diárias às indústrias, o velho ouviu de um operário a reclamação de que uma ferramenta qualquer estava inutilizada. Matarazzo resolveu: "Deve haver outra igual a esta, em estado melhor, naquele armário ali." O funcionário, duvidando que o chefe conhecesse tanto assim os milhões de armários de suas fábricas, foi conferir. E encontrou a peça. Matarazzo tinha uma só explicação para a proeza: "Intuição." Quem não sabe o que é dirigir um imenso complexo industrial e milhares de funcionários durante quase três décadas que duvide.

Se como administrador era um exemplo de sociabilidade - perdia tempo proseando com os empregados e tinha sempre uma história para contar nas reuniões de diretoria -, como chefe de família não se pode dizer a mesma coisa. Austero e pouco afável com os 13 filhos, fazia questão de manter a ordem em casa. A educação vinha em primeiro lugar e ai de quem ousasse desobedecer o patriarca.

Mas o carisma não se deixava ofuscar pela eterna braveza. Símbolo da elite industrial paulista, Matarazzo liderou os empresários das primeiras décadas deste século. Em 1928, fundou o Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp), do qual foi o primeiro presidente. No entanto, nunca concorreu a cargos eletivos - detestava discursar. Nas poucas vezes em que falou em público, o fez em italiano, mesmo porque nunca quis dominar o nosso idioma. A ligação com a Itália era muito maior do que a língua. "Ele teve dois amores na vida: a pátria onde nasceu e as Indústrias Matarazzo", disse Jorge da Cunha Lima, presidente da Fundação Padre Anchieta e autor do livro Matarazzo 100 anos. "Foi por causa da paixão pela Itália que recebeu o título de Conde." Durante a Primeira Guerra Mundial, o industrial mudou-se para o país de origem, onde foi ajudar no abastecimento das cidades mais atingidas. Pelos serviços prestados à nação, recebeu o título, embora a família, cuja tradição remonta ao século XII, carregue a nobreza no sangue.

Acertando os ponteiros 
Se o sangue azul não o fazia sentir-se orgulhoso, também não o incomodava. Homem de poucas ostentações, sua única veleidade era a paixão por carros. Há quem jure que o primeiro Ford a circular na capital paulista foi o dele, que parava multidões quando circulava. Mas não surpreendia ninguém, porque o rigor dos horários do Conde fazia com que os populares soubessem exatamente quando e onde ele iria passar. A rotina era tão metódica que alfaiates, barbeiros, sapateiros e comerciantes em geral acertavam os ponteiros de seus relógios de acordo com as passagens do velho. Figura folclórica na cidade, foi personagem da célebre frase "Pensa que eu sou o Matarazzo?", resposta comum que os chefes de família davam às esposas quando os gastos passavam dos limites. Pudera, a mansão na Avenida Paulista estava lá, imponente, numa área de 12 mil metros quadrados, para quem quisesse ver. No portão principal, o brasão da família intimidava qualquer um que passasse em frente. A casa foi demolida nos anos 80 e parte do terreno hoje abriga um estacionamento.

Ruína 
Antes dela ruíra a maioria das indústrias do patriarca. Os sucessores do Conde, o filho Francisco Júnior e a neta Maria Pia, não suportaram a concorrência que chegou com os anos 50. "A falha foi não ter percebido a mudança no cenário industrial. Era preciso se especializar. De que adiantava fabricar uma imensa variedade de produtos sem liderar as vendas de nenhum?", analisa Cunha Lima. Menos mal que o Conde não viveu para assistir à bancarrota. Morreu a 10 de dezembro de 1937, aos 83 anos, de uma crise de uremia (bloqueio repentino da circulação do sangue). Tinha o hábito de visitar diariamente pelo menos uma empresa de seu império. E só não conversava com todos os funcionários porque era tarefa impossível - o exército de trabalhadores era formado por 15 mil homens, em 365 fábricas, uma para cada dia do ano. Os operários, numa homenagem ao chefe, acompanharam o cortejo com uma faixa na lapela onde se lia: "Vida eterna ao Conde."

VOCÊ SABIA?
Doou um terreno para a construção do Parque Antártica, o estádio do Palestra Itália, hoje Palmeiras, que era seu time de coração.

VOCÊ SABIA?
Era fã de Mussolini e teve até dois encontros com o ditador italiano, além de doar gordas quantias aos fascistas brasileiros.brasileiros

15 comentários:

  1. Gnt é impressionante a história dessa família, é de deixar qq um d queixo caído, parabéns a todos e q honrem o nome q vc's receberam, pois não se fazem mais patriarcas como o q vc's tiveram...

    ResponderExcluir
  2. Ruínas das Indústrias Reunidas Francisco Matarazzo (IRFM) em Iguape (SP)

    http://www.flickr.com/photos/lucianofaustino/4262153785/

    Em 1921, implantou em Iguape uma filial de suas conceituadas Indústrias Reunidas.

    http://my.opera.com/perfeito/albums/show.dml?id=882016


    bom passeio!!!

    ResponderExcluir
  3. josé canizares filho23 de abril de 2010 06:59

    Já que é um fato de importância histórica seria bom colocar o nome correto das indústrias na época:
    IRFM -INDUSTRIAS REUNIDAS FÁBRICAS MATARAZZO.
    E não Francesco, apesar que esse é o nome do fundador.
    José Canizares Filho.
    Neto de Antônio Canizares, que construiu e chefiou por 40 anos o Moinho Matarazzo da Rua Monsenhor Andrade, no bairro do Brás, em São Paulo - SP

    ResponderExcluir
  4. Eu ricardo pistoresi, tive a oportunidade de trabalhar em 1 das empresas do grupo matarazzo...Oleos Matarazzo, na producao do sabonete Francis, na cidade de Santa Rosa de Viterbo- SP.....Saudades deste Imperio...

    ResponderExcluir
  5. Procuro registro de funcionária da Fiação da Industrias Reunidas Francisco Matarazzo, nos anos de 1966 a 1970, de nome Apararecida bertolete

    ResponderExcluir
  6. GOSTARIA DE SABER QUEM SAO OS PROCURADORES AQUI EM SAO PAULO POIS ESTOU EM PROCESSO DE CONTAGEM DE APOSENTADORIA E PERDI OS DOCUMENTOS QUALQUER NOVIDADES ENVIAR EMAIL COM POSSIVEL END E TELEFONE PARA CONTATO::: ATT NICOLAS GAMACOB@HOTMAIL.COM

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. amigo bom dia estou com o mesmo problema que você e não consigo encontrar nada você conseguiu pode me passar por favor meu email jai-san321@hotmail.com

      Excluir
  7. Pena que os Matarazzo destruiram com as próprias mãos sua herança, sua história, não deram a minima importancia, isso é muito triste.
    Implodirem a mansão na Av Paulista, destruir sua própria história por causa de dinheiro, realmente é triste... muito triste... não merecem a sua genealogia, sua descendencia,imperdoável.
    A Fabrica na Av Francisco Matarazzo, a mansao na Paulista deveria ser patrimonio tombado pela cultura, mas não, virou estacionamento, que país sem memória, que família mercenaria...

    ResponderExcluir
  8. gostaria de rever o emblema das latas de óleo sol levante se possivel,pois fez parte da melhor fase da minha vida:enquanto criança.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. eu tambem meus pais criou seus filhos, com óleo Sol Levante marca que ficou na lembrança nós moravamos no interior essas latas vazias nós brincavamos éra nosso passa tempo éramos 14 irmãos minha mamae preparava as refeições com esse óleo tenho saudades dessa marca 25 de março de 2013.

      Excluir
  9. gostaria de saber mais do suco em pó FRUCO.

    ResponderExcluir
  10. Por gentileza, gostaria de informações sobre onde localizar o escritório da empresa Inds. Reunidas Francisco Matarazzo (artefatos de papel)onde se localizava no Brás.
    Necessito de registro de 1970 á 1974 de Lorival Batista, qualquer informação enviar email para moninha_nandinho@hotmail.com ou entrar em contato pelo tel:(14) 9625-6488.Para afins e aposentadoria.
    Obrigado.

    ResponderExcluir
  11. gostaria de saber onde consigo provas de docuemtnos dos funcionarios da tecelagem amtarazzo , minha mae esta prescisadno para apsoentar-se , qualquer coisa entre em contato e-mail mariagrossi@terra.com.br é urgente

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa Noite, também estou na mesma situação,estou tentando achar procurador ou responsável ou algum local p/ rever documentos p/ aposentadoria foi perdido os documentos, vamos tentar nos ajudar, email orlandoslaurindo@gmail.com

      Excluir
  12. ELE FAZIA QUESTA DE FALAR ITALIANO PORQUE SAIU DE LA??BRASIL PRIVADA DE DETRITOS ESTRANGEIROS!!

    ResponderExcluir